Blog

Author Archive

Como fazer o descarte correto de roupas?

Você sabia que nem tudo o que consumimos deve ser jogado no lixo comum? Alguns itens, como roupas, devem ser descartados em locais específicos, para que sua destinação seja adequada e sua reciclagem seja feita de forma correta.

Por isso, quando surge aquela vontade de organizar o quarto e separar toda roupa que não é mais usada, vem o questionamento. “Mas para onde eu mando? Dou para alguém, deixo no lixo ou esqueço estocada no meu guarda roupa? ”.

Primeiro, se você não vai mais usar alguma das peças e não conhece ninguém que esteja precisando para doar, separe para o descarte. Afinal, quando você apenas joga em cestas de lixo, provoca uma consequência, que traz um impacto totalmente negativo ao meio ambiente e para a sociedade.

Separar e destinar para locais adequados é uma atitude responsável e consciente, e é o que o mundo precisa para sobreviver. De pessoas que pensam no ecossistema e lutam por ele.

Só no Brasil, estima-se que são geradas 170 mil toneladas de resíduos têxteis por ano, sendo que 80% delas vão parar em aterros. A decomposição dos tecidos é um processo que pode levar meses ou até mesmo centenas de anos, prejudicando o solo e os lençóis freáticos com a sua contaminação, já que esse tipo de resíduo libera gases de efeito estufa, um dos maiores causadores do aquecimento global.

Qual o melhor destino?

Se você não encontra solução alguma para a sua peça de roupa, o ideal é destiná-la para a reciclagem, no qual sofrerá um processo em que o tecido será transformado em fios, que poderão ser usados como matéria-prima para a fabricação de novos produtos.

No entanto, no Brasil há poucas iniciativas que envolvem o descarte correto desses resíduos. O processo de reciclagem é muito trabalhoso e a maioria dos postos de resíduos não oferecem a opção de reciclagem dos tecidos.

Uma forma de descarte é entrar em contato com a fabricante do seu produto para saber se é possível devolvê-lo para, que seja feito um descarte correto para reuso ou reciclagem da peça.

Segundo a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), os consumidores são os principais responsáveis por descartar de forma consciente e sustentável os itens adquiridos, sejam roupas ou sapatos.

Empresas que trabalham com logística reversa

No entanto, a PNRS também responsabiliza as empresas pelo pós-consumo de seus produtos. Algumas empresas, inclusive, possuem planos de coleta de peças para a reciclagem, a conhecida logística reversa.

Uma delas é a cadeia internacional das lojas C&A, que tem o projeto Movimento Reciclo, no qual o cliente deposita suas roupas (sejam da loja ou de outra marca) em caixas de coletas nas lojas.

As meias furadas e rasgadas, por exemplo, podem ser destinadas para pontos de coleta da campanha Meias do Bem, criada pela empresa Puket. O material é reciclado na própria fábrica da Puket e são transformadas em cobertores e meias, destinadas a instituições sociais.

Outra empresa que apoia e trabalha com a logística reversa é a havaianas, que recebem os chinelos velhos de seus clientes para transformá-los em tapetes para playground, que também são doados a projetos sociais.

Banco de troca

Além da logística reversa, há mais uma opção para o consumidor! Se você tem na sua casa sobras de panos que ainda não foram usados, como retalhos de cortinas, toalha de mesa e outros, não jogue fora. Elas podem valer muito!

Ao invés de descartá-las, leve-as para o Banco de Tecidos, projeto idealizado pela figurinista, Lu Breno. O programa funciona como um banco, no qual a moeda de troca é o tecido de reuso.

Para participar do projeto, leve suas peças para uma avaliação. Após os tecidos serem pesados e organizados, ficam à disposição para o saque, enquanto você recebe em créditos por cada quilo depositado. Você pode sacar outros tecidos em troca ou comprar a quantidade que você precisa.

O projeto está com unidades em São Paulo, Curitiba e Porto Alegre.

Agora que você sabe onde é possível descartar suas roupas velhas, comece a separá-las e trabalhe por um mundo melhor e mais consciente!

O post Como fazer o descarte correto de roupas? apareceu primeiro em Pensamento Verde.

Fonte: Pensamento Verde

Posted in: Sem categoria

Leave a Comment (0) →

Especial Beleza Sustentável: Menina Flor Estética

O Menina Flor Estética é o sonho de uma empresária sonhadora, que se tornou real. O espaço é a realidade de um local acolhedor, no qual as clientes são atendidas por profissionais de qualidade, preocupados em proporcionar momentos de bem-estar.

Beleza + bem-estar + sustentabilidade

Atualmente, o salão faz parte do Programa Beleza Verde, que busca enaltecer a sustentabilidade em todos os detalhes do dia a dia. Seja no consumo dos produtos usados nos cabelos e peles, ou na forma como lidamos com a natureza. O Programa é uma certificação de que a natureza é respeitada no ambiente, no uso de produtos e nos serviços estéticos.

O Pensamento Verde entrevistou a Angela Lico, dona do Menina Flor Estética, e ela nos conta um pouco sobre o dia a dia do salão e seu olhar sustentável. Confira!

Pensamento Verde: Como surgiu a ideia de montar um salão de beleza?

Angela Lico: Sou publicitária de formação, frequentava um lugar próximo ao meu trabalho e gostava muito do conceito de ser somente manicures e depiladoras. Por isso, larguei tudo e montei um espaço próprio perto da minha casa.

Pensamento Verde: Como foi a criação da marca?

Angela Lico: Queria algo feminino e que remetesse a beleza, assim surgiu o nome.

Pensamento Verde: E a escolha dos seus produtos e serviços?

Angela Lico: A princípio seria somente os serviços de manicure, depilação e massagem. Como o negócio cresceu rápido, fui acrescentando outros serviços, ouvindo muitas sugestões das clientes. Queria uma prestação de serviço rápida e de qualidade, que atendesse o público feminino que não tem muito tempo a perder em um salão de beleza.

Pensamento Verde: Onde está o coração do salão? Aquele diferencial especial Menina Flor?

Angela Lico: Sem dúvida no atendimento, na qualidade do serviço prestado e no conforto do espaço.

Pensamento Verde: Vimos que vocês são especializados em vários procedimentos, muito legal e importante para a beleza. Pode contar para nós sobre suas especialidades, cursos etc?

Angela Lico: Sou formada em Propaganda e Marketing, fiz uma consultoria para montar o Menina Flor com uma pessoa que também possui salão de beleza. Procuro sempre estar em eventos do setor.

Pensamento Verde: Seu salão é muito preocupado com o meio ambiente e implementa ações em prol da beleza sustentável, tanto que faz parte do Programa Beleza Verde. Como vocês inspiram sua equipe a ser mais sustentável e cuidar do meio ambiente, tanto na rotina do salão quanto fora dele?

Angela Lico: Mostrando a importância dessas ações e o tanto que impacta na vida de todos.

Pensamento Verde: Sobre o setor de beleza, como veem a preocupação do setor com o meio ambiente?

Angela Lico: Ainda bem no início e com pouca consciência, mas estamos no caminho certo.

Pensamento Verde: Na sua opinião, o que precisamos fazer/mudar para alcançar uma beleza plenamente sustentável?

Angela Lico: Ter mais consciência com o descarte, principalmente de aerossol, vidros, latas e plásticos.

Pensamento Verde: Que conselho vocês dariam aos nossos leitores para continuar em casa suas rotinas de beleza sem deixar a sustentabilidade de lado?

Angela Lico: Gostaria de lembrar a todas que viramos um ponto de coleta, que todos os descartes de vidros de shampoo, esmaltes, acetonas e cremes serão bem-vindos em nosso lixo. Para todas lembrarem da importância desse descarte correto quando terminar em casa o seu shampoo ou qualquer outro potinho de creme.

Sobre o Menina Flor Estética

Há 14 anos no mercado, o Menina Flor Estética é a realização do sonho de uma menina que queria ser empresária, para ter esse espaço acolhedor, de ambiente agradável, onde clientes são atendidas por profissionais qualificados e preocupados em proporcionar momentos de bem-estar e serviços de qualidade, que atendam aos mais altos estandartes de higiene e saúde.

O post Especial Beleza Sustentável: Menina Flor Estética apareceu primeiro em Pensamento Verde.

Fonte: Pensamento Verde

Posted in: Sem categoria

Leave a Comment (0) →

A insana criação de tigres

O tigre é uma das espécies mais ameaçadas do mundo e se encontra em perigo de extinção global. É o maior felino do planeta e um animal nacional da Índia e Bangladesh. Das nove subespécies que existiam há um século, restaram apenas seis: a de bengala (Panthera tigres tigris, da Indochina) a Panthera tigres corbetti, o malaio (Panthera tigres jacksoni), o siberiano (Panthera tigres altaica), o de Sumatra (Panthera tigres sumatrae) e o do sul da China (Panthera tigres amoyensis).

De acordo com o World Wildlife Fund – WWF, existem somente cerca de 4000 tigres em liberdade quando há um século existiam cem mil. Os exemplares em liberdade estão espalhados por 12 países da Ásia. Das seis subespécies, duas (o de sumatra e o siberiano), encontram-se em perigo crítico de extinção e as demais são consideradas em perigo de extinção, de acordo com a classificação adotada pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção – CITES.

As principais ameaças que o tigre enfrenta são o desmatamento e a caça ilegal. Uma das principais causas de seu declínio é motivada pela procura de sua pele, que é muito cobiçada no mercado internacional, e certas partes de seu corpo que são utilizadas na medicina tradicional na China e no Vietnã. O aumento do nível do mar motivado pelo aquecimento global ameaça o habitat de manguezais da população de tigres da Índia e Bangladesh, reduzindo drasticamente o espaço onde vivem estes animais.

No entanto, segundo artigo publicado em junho no The Guardian, há pelo menos, 7 mil tigres vivendo em cativeiro nos Estados Unidos, a maioria como animal de estimação exótico. Desses, somente 6% estão alojados em jardins zoológicos ou instalações aprovadas pela Associação Americana de Zoológicos e Aquários. O restante vive em instalações privadas de reprodução, quintais, e até mesmo em apartamentos urbanos. Segundo Philip Hoare, que assina o artigo, “é mais fácil comprar um tigre do que adotar um cão de resgate”.

Nos Estados Unidos, em muitos estados, não há leis que impeçam as pessoas de possuírem animais exóticos, e naqueles que as possuem, em geral, não são aplicadas. Vários criadores de tigres operam livremente no país.

Normalmente, os proprietários de tigres adquirem os animais filhotes quando o comportamento deles mais se aproxima ao de um gato doméstico. Nessa fase, os criadores de animais exóticos têm a ilusão de que podem cuidar de um tigre ao longo de toda a sua vida – o que é um grave engano.

Os grandes felinos têm necessidades de nutrição e de um amplo espaço para caminhar, além de oportunidades para aprender a caçar o que os proprietários privados não podem oferecer. Esses tigres domésticos acabam ficando com deficiências físicas, não se comparando com seus semelhantes na natureza.

O número de tigres de posse de proprietários privados deve ser muito maior que os estimados 7 mil, isto porque somente 14 estados fazem com que os que possuem tigres registrem seus animais de estimação. Porém, muitos proprietários ignoram a exigência.

Não parece haver um fim próximo para essa prática insana de criação de grandes felinos nos Estados Unidos. Em março de 2017, foi apresentado um Projeto de Lei na Câmara dos Representantes, proibindo a posse privada de grandes felinos, mas não obteve a atenção dos parlamentares e não entrou em pauta para votação.

A manutenção de grandes animais carismáticos como bichinhos de estimação é atitude irresponsável e de ser coibida.

Os tigres mantêm seu instinto selvagem e dezenas de pessoas perderam a vida, membros ou sofreram lesões traumáticas causadas por ataques de tigres. O lugar dos tigres é na natureza, em áreas protegidas e preservados para serem admirados pelas futuras gerações.

O post A insana criação de tigres apareceu primeiro em Pensamento Verde.

Fonte: Pensamento Verde

Posted in: Sem categoria

Leave a Comment (0) →

A insana criação de tigres

O tigre é uma das espécies mais ameaçadas do mundo e se encontra em perigo de extinção global. É o maior felino do planeta e um animal nacional da Índia e Bangladesh. Das nove subespécies que existiam há um século, restaram apenas seis: a de bengala (Panthera tigres tigris, da Indochina) a Panthera tigres corbetti, o malaio (Panthera tigres jacksoni), o siberiano (Panthera tigres altaica), o de Sumatra (Panthera tigres sumatrae) e o do sul da China (Panthera tigres amoyensis).

De acordo com o World Wildlife Fund – WWF, existem somente cerca de 4000 tigres em liberdade quando há um século existiam cem mil. Os exemplares em liberdade estão espalhados por 12 países da Ásia. Das seis subespécies, duas (o de sumatra e o siberiano), encontram-se em perigo crítico de extinção e as demais são consideradas em perigo de extinção, de acordo com a classificação adotada pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção – CITES.

As principais ameaças que o tigre enfrenta são o desmatamento e a caça ilegal. Uma das principais causas de seu declínio é motivada pela procura de sua pele, que é muito cobiçada no mercado internacional, e certas partes de seu corpo que são utilizadas na medicina tradicional na China e no Vietnã. O aumento do nível do mar motivado pelo aquecimento global ameaça o habitat de manguezais da população de tigres da Índia e Bangladesh, reduzindo drasticamente o espaço onde vivem estes animais.

No entanto, segundo artigo publicado em junho no The Guardian, há pelo menos, 7 mil tigres vivendo em cativeiro nos Estados Unidos, a maioria como animal de estimação exótico. Desses, somente 6% estão alojados em jardins zoológicos ou instalações aprovadas pela Associação Americana de Zoológicos e Aquários. O restante vive em instalações privadas de reprodução, quintais, e até mesmo em apartamentos urbanos. Segundo Philip Hoare, que assina o artigo, “é mais fácil comprar um tigre do que adotar um cão de resgate”.

Nos Estados Unidos, em muitos estados, não há leis que impeçam as pessoas de possuírem animais exóticos, e naqueles que as possuem, em geral, não são aplicadas. Vários criadores de tigres operam livremente no país.

Normalmente, os proprietários de tigres adquirem os animais filhotes quando o comportamento deles mais se aproxima ao de um gato doméstico. Nessa fase, os criadores de animais exóticos têm a ilusão de que podem cuidar de um tigre ao longo de toda a sua vida – o que é um grave engano.

Os grandes felinos têm necessidades de nutrição e de um amplo espaço para caminhar, além de oportunidades para aprender a caçar o que os proprietários privados não podem oferecer. Esses tigres domésticos acabam ficando com deficiências físicas, não se comparando com seus semelhantes na natureza.

O número de tigres de posse de proprietários privados deve ser muito maior que os estimados 7 mil, isto porque somente 14 estados fazem com que os que possuem tigres registrem seus animais de estimação. Porém, muitos proprietários ignoram a exigência.

Não parece haver um fim próximo para essa prática insana de criação de grandes felinos nos Estados Unidos. Em março de 2017, foi apresentado um Projeto de Lei na Câmara dos Representantes, proibindo a posse privada de grandes felinos, mas não obteve a atenção dos parlamentares e não entrou em pauta para votação.

A manutenção de grandes animais carismáticos como bichinhos de estimação é atitude irresponsável e de ser coibida.

Os tigres mantêm seu instinto selvagem e dezenas de pessoas perderam a vida, membros ou sofreram lesões traumáticas causadas por ataques de tigres. O lugar dos tigres é na natureza, em áreas protegidas e preservados para serem admirados pelas futuras gerações.

O post A insana criação de tigres apareceu primeiro em Pensamento Verde.

Fonte: Pensamento Verde

Posted in: Sem categoria

Leave a Comment (0) →

A insana criação de tigres

O tigre é uma das espécies mais ameaçadas do mundo e se encontra em perigo de extinção global. É o maior felino do planeta e um animal nacional da Índia e Bangladesh. Das nove subespécies que existiam há um século, restaram apenas seis: a de bengala (Panthera tigres tigris, da Indochina) a Panthera tigres corbetti, o malaio (Panthera tigres jacksoni), o siberiano (Panthera tigres altaica), o de Sumatra (Panthera tigres sumatrae) e o do sul da China (Panthera tigres amoyensis).

De acordo com o World Wildlife Fund – WWF, existem somente cerca de 4000 tigres em liberdade quando há um século existiam cem mil. Os exemplares em liberdade estão espalhados por 12 países da Ásia. Das seis subespécies, duas (o de sumatra e o siberiano), encontram-se em perigo crítico de extinção e as demais são consideradas em perigo de extinção, de acordo com a classificação adotada pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção – CITES.

As principais ameaças que o tigre enfrenta são o desmatamento e a caça ilegal. Uma das principais causas de seu declínio é motivada pela procura de sua pele, que é muito cobiçada no mercado internacional, e certas partes de seu corpo que são utilizadas na medicina tradicional na China e no Vietnã. O aumento do nível do mar motivado pelo aquecimento global ameaça o habitat de manguezais da população de tigres da Índia e Bangladesh, reduzindo drasticamente o espaço onde vivem estes animais.

No entanto, segundo artigo publicado em junho no The Guardian, há pelo menos, 7 mil tigres vivendo em cativeiro nos Estados Unidos, a maioria como animal de estimação exótico. Desses, somente 6% estão alojados em jardins zoológicos ou instalações aprovadas pela Associação Americana de Zoológicos e Aquários. O restante vive em instalações privadas de reprodução, quintais, e até mesmo em apartamentos urbanos. Segundo Philip Hoare, que assina o artigo, “é mais fácil comprar um tigre do que adotar um cão de resgate”.

Nos Estados Unidos, em muitos estados, não há leis que impeçam as pessoas de possuírem animais exóticos, e naqueles que as possuem, em geral, não são aplicadas. Vários criadores de tigres operam livremente no país.

Normalmente, os proprietários de tigres adquirem os animais filhotes quando o comportamento deles mais se aproxima ao de um gato doméstico. Nessa fase, os criadores de animais exóticos têm a ilusão de que podem cuidar de um tigre ao longo de toda a sua vida – o que é um grave engano.

Os grandes felinos têm necessidades de nutrição e de um amplo espaço para caminhar, além de oportunidades para aprender a caçar o que os proprietários privados não podem oferecer. Esses tigres domésticos acabam ficando com deficiências físicas, não se comparando com seus semelhantes na natureza.

O número de tigres de posse de proprietários privados deve ser muito maior que os estimados 7 mil, isto porque somente 14 estados fazem com que os que possuem tigres registrem seus animais de estimação. Porém, muitos proprietários ignoram a exigência.

Não parece haver um fim próximo para essa prática insana de criação de grandes felinos nos Estados Unidos. Em março de 2017, foi apresentado um Projeto de Lei na Câmara dos Representantes, proibindo a posse privada de grandes felinos, mas não obteve a atenção dos parlamentares e não entrou em pauta para votação.

A manutenção de grandes animais carismáticos como bichinhos de estimação é atitude irresponsável e de ser coibida.

Os tigres mantêm seu instinto selvagem e dezenas de pessoas perderam a vida, membros ou sofreram lesões traumáticas causadas por ataques de tigres. O lugar dos tigres é na natureza, em áreas protegidas e preservados para serem admirados pelas futuras gerações.

O post A insana criação de tigres apareceu primeiro em Pensamento Verde.

Fonte: Pensamento Verde

Posted in: Sem categoria

Leave a Comment (0) →

A insana criação de tigres

O tigre é uma das espécies mais ameaçadas do mundo e se encontra em perigo de extinção global. É o maior felino do planeta e um animal nacional da Índia e Bangladesh. Das nove subespécies que existiam há um século, restaram apenas seis: a de bengala (Panthera tigres tigris, da Indochina) a Panthera tigres corbetti, o malaio (Panthera tigres jacksoni), o siberiano (Panthera tigres altaica), o de Sumatra (Panthera tigres sumatrae) e o do sul da China (Panthera tigres amoyensis).

De acordo com o World Wildlife Fund – WWF, existem somente cerca de 4000 tigres em liberdade quando há um século existiam cem mil. Os exemplares em liberdade estão espalhados por 12 países da Ásia. Das seis subespécies, duas (o de sumatra e o siberiano), encontram-se em perigo crítico de extinção e as demais são consideradas em perigo de extinção, de acordo com a classificação adotada pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção – CITES.

As principais ameaças que o tigre enfrenta são o desmatamento e a caça ilegal. Uma das principais causas de seu declínio é motivada pela procura de sua pele, que é muito cobiçada no mercado internacional, e certas partes de seu corpo que são utilizadas na medicina tradicional na China e no Vietnã. O aumento do nível do mar motivado pelo aquecimento global ameaça o habitat de manguezais da população de tigres da Índia e Bangladesh, reduzindo drasticamente o espaço onde vivem estes animais.

No entanto, segundo artigo publicado em junho no The Guardian, há pelo menos, 7 mil tigres vivendo em cativeiro nos Estados Unidos, a maioria como animal de estimação exótico. Desses, somente 6% estão alojados em jardins zoológicos ou instalações aprovadas pela Associação Americana de Zoológicos e Aquários. O restante vive em instalações privadas de reprodução, quintais, e até mesmo em apartamentos urbanos. Segundo Philip Hoare, que assina o artigo, “é mais fácil comprar um tigre do que adotar um cão de resgate”.

Nos Estados Unidos, em muitos estados, não há leis que impeçam as pessoas de possuírem animais exóticos, e naqueles que as possuem, em geral, não são aplicadas. Vários criadores de tigres operam livremente no país.

Normalmente, os proprietários de tigres adquirem os animais filhotes quando o comportamento deles mais se aproxima ao de um gato doméstico. Nessa fase, os criadores de animais exóticos têm a ilusão de que podem cuidar de um tigre ao longo de toda a sua vida – o que é um grave engano.

Os grandes felinos têm necessidades de nutrição e de um amplo espaço para caminhar, além de oportunidades para aprender a caçar o que os proprietários privados não podem oferecer. Esses tigres domésticos acabam ficando com deficiências físicas, não se comparando com seus semelhantes na natureza.

O número de tigres de posse de proprietários privados deve ser muito maior que os estimados 7 mil, isto porque somente 14 estados fazem com que os que possuem tigres registrem seus animais de estimação. Porém, muitos proprietários ignoram a exigência.

Não parece haver um fim próximo para essa prática insana de criação de grandes felinos nos Estados Unidos. Em março de 2017, foi apresentado um Projeto de Lei na Câmara dos Representantes, proibindo a posse privada de grandes felinos, mas não obteve a atenção dos parlamentares e não entrou em pauta para votação.

A manutenção de grandes animais carismáticos como bichinhos de estimação é atitude irresponsável e de ser coibida.

Os tigres mantêm seu instinto selvagem e dezenas de pessoas perderam a vida, membros ou sofreram lesões traumáticas causadas por ataques de tigres. O lugar dos tigres é na natureza, em áreas protegidas e preservados para serem admirados pelas futuras gerações.

O post A insana criação de tigres apareceu primeiro em Pensamento Verde.

Fonte: Pensamento Verde

Posted in: Sem categoria

Leave a Comment (0) →

A insana criação de tigres

O tigre é uma das espécies mais ameaçadas do mundo e se encontra em perigo de extinção global. É o maior felino do planeta e um animal nacional da Índia e Bangladesh. Das nove subespécies que existiam há um século, restaram apenas seis: a de bengala (Panthera tigres tigris, da Indochina) a Panthera tigres corbetti, o malaio (Panthera tigres jacksoni), o siberiano (Panthera tigres altaica), o de Sumatra (Panthera tigres sumatrae) e o do sul da China (Panthera tigres amoyensis).

De acordo com o World Wildlife Fund – WWF, existem somente cerca de 4000 tigres em liberdade quando há um século existiam cem mil. Os exemplares em liberdade estão espalhados por 12 países da Ásia. Das seis subespécies, duas (o de sumatra e o siberiano), encontram-se em perigo crítico de extinção e as demais são consideradas em perigo de extinção, de acordo com a classificação adotada pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção – CITES.

As principais ameaças que o tigre enfrenta são o desmatamento e a caça ilegal. Uma das principais causas de seu declínio é motivada pela procura de sua pele, que é muito cobiçada no mercado internacional, e certas partes de seu corpo que são utilizadas na medicina tradicional na China e no Vietnã. O aumento do nível do mar motivado pelo aquecimento global ameaça o habitat de manguezais da população de tigres da Índia e Bangladesh, reduzindo drasticamente o espaço onde vivem estes animais.

No entanto, segundo artigo publicado em junho no The Guardian, há pelo menos, 7 mil tigres vivendo em cativeiro nos Estados Unidos, a maioria como animal de estimação exótico. Desses, somente 6% estão alojados em jardins zoológicos ou instalações aprovadas pela Associação Americana de Zoológicos e Aquários. O restante vive em instalações privadas de reprodução, quintais, e até mesmo em apartamentos urbanos. Segundo Philip Hoare, que assina o artigo, “é mais fácil comprar um tigre do que adotar um cão de resgate”.

Nos Estados Unidos, em muitos estados, não há leis que impeçam as pessoas de possuírem animais exóticos, e naqueles que as possuem, em geral, não são aplicadas. Vários criadores de tigres operam livremente no país.

Normalmente, os proprietários de tigres adquirem os animais filhotes quando o comportamento deles mais se aproxima ao de um gato doméstico. Nessa fase, os criadores de animais exóticos têm a ilusão de que podem cuidar de um tigre ao longo de toda a sua vida – o que é um grave engano.

Os grandes felinos têm necessidades de nutrição e de um amplo espaço para caminhar, além de oportunidades para aprender a caçar o que os proprietários privados não podem oferecer. Esses tigres domésticos acabam ficando com deficiências físicas, não se comparando com seus semelhantes na natureza.

O número de tigres de posse de proprietários privados deve ser muito maior que os estimados 7 mil, isto porque somente 14 estados fazem com que os que possuem tigres registrem seus animais de estimação. Porém, muitos proprietários ignoram a exigência.

Não parece haver um fim próximo para essa prática insana de criação de grandes felinos nos Estados Unidos. Em março de 2017, foi apresentado um Projeto de Lei na Câmara dos Representantes, proibindo a posse privada de grandes felinos, mas não obteve a atenção dos parlamentares e não entrou em pauta para votação.

A manutenção de grandes animais carismáticos como bichinhos de estimação é atitude irresponsável e de ser coibida.

Os tigres mantêm seu instinto selvagem e dezenas de pessoas perderam a vida, membros ou sofreram lesões traumáticas causadas por ataques de tigres. O lugar dos tigres é na natureza, em áreas protegidas e preservados para serem admirados pelas futuras gerações.

O post A insana criação de tigres apareceu primeiro em Pensamento Verde.

Fonte: Pensamento Verde

Posted in: Sem categoria

Leave a Comment (0) →

Sua pele é seca? Confira receitas caseiras para combater esse problema

Todos que sofrem com a pele seca precisam manter a hidratação em dia com produtos apropriados, que não retire por completo a camada de gordura natural presente na pele.

Os cuidados devem ser diários com aplicações regulares de cremes hidratantes no corpo e rosto, a fim de manter a beleza e integridade da pele, deixando-a mais bonita e macia.

Mas claro, é necessário cuidar desse problema com as devidas preocupações não é mesmo? Por isso, tente optar por hidratantes caseiros e naturais, além de serem benéficos para a sua pele, não agridem o meio ambiente e sua pele fica com um aspecto maravilhoso e sedoso.

Preparamos algumas receitinhas incríveis para você testar na sua casa. Que tal? Separe os ingredientes e comece hoje mesmo a cuidar de você. Confira!

Máscara de iogurte para o rosto

Uma excelente receita é a de iogurte com mel, que traz resultados incríveis, deixando sua pele bonita e hidratada por muito tempo.

Ingredientes

  • 1 iogurte natural

  • 1 colher de mel

Modo de preparo

  • Misture os ingredientes até criar uma massa homogênea e aplique no rosto, deixando agir por 15 minutos. Ao fim, retire com água fria e repita o processo 1 vez na semana.

Máscara de abacate

Máscara ótima para hidratar o rosto em caso de pele muito seca e desidratada, que precisam de umectação para deixá-la mais macia.

Ingredientes

  • 1 abacate maduro

  • 1 colher de mel

  • 2 cápsulas de óleo de onagra

  • 1 colher de água de rosas

Modo de preparo

  • Amasse o abacate e misture com o mel, depois coloque as cápsulas e mexa bem;

  • Lave bem o rosto com água e sabonete hidratante, e aplique o creme no rosto e no pescoço;

  • Deixe agir por 20 minutos;

  • Retire o conteúdo com água fria, ou se preferir, limpe o rosto com a água de rosas. Faça uso do creme 1 vez por semana.

Máscara de aveia e mel para o rosto

Um excelente remédio caseiro que mistura aveia e mel e possui propriedades umectantes.

Ingredientes

  • 1 colher de mel

  • 2 colheres de aveia

  • 1 colher de chá de alga marinha

Modo de preparo

  • Misture todos os ingredientes até ter uma massa homogênea e aplique no rosto, deixando agir por 30 minutos. Ao fim, retire com água fria e repita o processo 1 vez na semana.

Obs: O período da noite é o melhor momento para hidratar a pele de forma intensa.

Banho hidratante com camomila

Uma ótima alternativa para quem tem a pele do corpo seca é o banho com leite, aveia e camomila, pois ele hidrata a pele com suas propriedades umectantes.

Ingredientes

  • 4 colheres de camomila seca

  • 500 ml de leite integral

  • 120 g de flocos de aveia moídos

Modo de preparo

  • Coloque a camomila e o leite em um frasco e guarde na geladeira por uma noite;

  • Pela manhã, filtre e coloque o líquido em uma banheira com água morna;

  • Os flocos de aveia moídos você adiciona no banho hidratante;

  • Relaxe no banho por 15 minutos e ao final, seque o corpo sem esfregar ou aplicar loção corporal a fim de manter a pele úmida.

Óleo caseiro para hidratar o corpo

O óleo de damasco é ótimo para nutrir a pele seca, pois ele hidrata bem o corpo, mesmo as peles sensíveis.

Ingredientes

  • 250 g de sementes de damasco

  • 500 ml de óleo de amêndoas doces

Modo de preparo

  • Esmague as sementes, coloque em um pote de vidro e acrescente o óleo de amêndoas;

  • Mantenha o pote em um local ensolarado por 2 semanas e após esse período, aplique diariamente na pele depois do banho ou após a esfoliação da pele.

O post Sua pele é seca? Confira receitas caseiras para combater esse problema apareceu primeiro em Pensamento Verde.

Fonte: Pensamento Verde

Posted in: Sem categoria

Leave a Comment (0) →

Estado de São Paulo pode punir empresas que não aderirem a legislação de logística reversa

Começou a valer no último dia 2 de outubro, uma regra em São Paulo que pode punir todas as empresas do Estado, que não tenham apresentado ao governo um plano com informações detalhadas sobre a coleta de seus resíduos e a destinação correta desses itens.

Na prática, as empresas devem desenvolver ou aderir à mecanismos para que as embalagens que sobram dos produtos após o seu uso sejam recolhidas e destinadas corretamente, a fim de evitar a sua disposição inadequada.

Uma iniciativa interessante é o Programa Beleza Verde, da empresa Dinâmica ambiental, que visa a coleta dessas embalagens nos salões de beleza, entre outros serviços.

As empresas que não cumprirem as determinações, podem ter seu pedido de licenciamento ou renovação de licença negados, além de penas progressivas para as que já estão em funcionamento, como advertências, multas, embargo, e até mesmo suspensão das atividades.

Os setores atingidos pelo novo regulamento são diversos, como: fabricantes de alimentos, produtos de higiene, alimentação, perfumaria e cosméticos, tintas imobiliárias, produtos de limpeza, produtos automotivos (como pneus, óleo lubrificante e baterias), produtos eletrônicos, medicamentos, e muitos outros.

A obrigação de que as empresas possuam um plano de logística reversa existe desde 2010, como parte da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010) ou seja, tempo suficiente para que as adequações e desenvolvimentos necessários fossem executadas.

A Cetesb publicou a decisão de diretoria, estabelecendo uma série de critérios e metas para a estruturação e implementação do sistema de logística reversa no processo de licenciamento ambiental, a decisão foi dada no dia 4 de abril.

Dessa forma, a Cetesb passa a ter maior controle sobre as empresas, já que na prática atuará também de forma passiva, ou seja, no momento do licenciamento deverá ser demonstrado o atendimento aos requisitos de logística reversa.

A legislação permite que os sistemas sejam adotados e manuseados de forma individual pelas empresas ou de forma coletiva, através de entidade representativa do setor, por exemplo.

Assim como o Programa Beleza Verde, a Dinâmica Ambiental também promove junto a Braskem a importância do descarte correto e da reciclagem dos copos plásticos de polipropileno (PP).

O Programa faz parte da plataforma Wecycle e tem como objetivo disseminar informações e boas práticas sustentáveis junto a empresas de diferentes perfis e setores de economia. A ideia é valorizar os resíduos plásticos ao longo de toda a rede produtiva.

Para que o projeto aconteça, a Dinâmica Ambiental recolhe os copos descartados pelas empresas e estabelecimentos comerciais. O material coletado será levado para recicladoras parceiras Wecycle, e posteriormente, transformado em resina pós-consumo.

A resina pode ser usada na fabricação de novos produtos, como tampas para cosméticos, utensílios domésticos, entre muitos outros.

A meta do programa é atuar junto a empresas de todos os segmentos, sejam elas produtoras ou distribuidoras de copos descartáveis e plásticos, ou até mesmo empresas que apenas os utilizam.

O programa também conta com o apoio de empresas preocupadas com o meio ambiente como Altacoppo, Copobras e Jaguar Plásticos.

As instituições que se interessarem pelo programa podem participar de duas formas: Podem se associar ao programa se tornando apoiadora (ajudando por meio de aporte financeiro via cotas) ou como participante, destinando os copinhos gerados no estabelecimento ao programa.

Quer conhecer mais sobre o Programa? Acesse: Wecycle.

O post Estado de São Paulo pode punir empresas que não aderirem a legislação de logística reversa apareceu primeiro em Pensamento Verde.

Fonte: Pensamento Verde

Posted in: Sem categoria

Leave a Comment (0) →

Conheça as ecovilas brasileiras

As ecovilas, conhecidas como comunidades sustentáveis, estão cada vez mais presentes na vida dos brasileiros, ganhando cada dia mais espaço. Elas surgiram na Europa e foram inspiradas nas comunidades alternativas dos anos 60.

A ecovila também é chamada de eco-aldeia e eco-comunidade, o modelo de vida que preserva áreas já degradadas ou que podem estar se degradando, que encontram soluções viáveis para a erradicação da pobreza.

Essas comunidades, urbanas ou rurais são locais onde as pessoas vivem em harmonia com a natureza e com o seu estilo de vida sustentável. Mas, para que dê certo é necessário seguir algumas práticas, como utilização de energia solar, produção de produtos orgânicos, economia solidária, preservação da natureza, entre muitos outros.

A ideologia das ecovilas possuem três bases conceituais que sustentam a ideia, como: a vida em harmonia com a natureza, a convivência fraterna e solidária e consciência elevada. Juntas, elas resgatam o modo de sobrevivência mais primário da humanidade, com um íntimo com a natureza.

A prática surgiu em 1998, e se consagra como uma das 100 melhores práticas para o desenvolvimento sustentável.

No Brasil, existem diversas ecovilas, por isso, listamos algumas principais para que você conheça e quem sabe, visite um dia. Confira!

  • Clareando, Serra da Mantiqueira, São Paulo

Em São Paulo, há um condomínio rural que segue a proposta de viver de modo sustentável. A localização está entre as cidades de Joanópolis e Piracaia, área privilegiada por se situar entre os vales e montanhas da Mata Atlântica.

  • Arca Verde, São Francisco de Paula, Rio Grande do Sul

A infraestrutura tem foco na permacultura, incluindo hortas e agroflorestal, cozinha, refeitório comunitário, espaço social e espiritual, alojamento coletivo, galpões e oficinas, ateliês, espaço kids, família e coletivo, e outros.

  • Viver simples, Morro Grande, Município de Itamonte (Minas Gerais)

O condomínio rural é formado por um grupo de 13 famílias, com área de cultivo, centro de aprendizado, chalés para os visitantes e cozinha comunitária.

  • Ecovila Bambu, Lindolfo Collor, Rio Grande do Sul

A Ecovila fica entre Novo Hamburgo e Nova Petrópolis, há 70 quilômetros de Porto Alegre. A ecovila que compõe o sítio foi elevada de um centro espiritual, que oferece alimentação saudável, harmonia entre os moradores, natureza e centro de lazer.

  • Asa Branca, Brasília

A Asa Branca é umas das principais referências em projetos de sustentabilidade no país, e está localizada a 23 km do centro de Brasília. A área abriga interessados em serviços voluntários e é aberto a visitantes de turismo ecopedagógico para até 15 pessoas.

  • Aldeia Arawikay, Antônio Carlos, Santa Catarina

A ecovila fica nas colinas de Alto Rio Farias, a área rural que preserva e recupera o ambiente florestal de 80% da área original dentro de 17,70 hectares.

  • Flor de Ouro Vida Natural, Alto Paraíso, Goiás

Esta vila reúne e recebe visitantes e turistas há mais de 30 anos. Localizada na região da Chapada dos Veadeiros e que organiza diversos eventos em prol da espiritualidade e harmonia do corpo e natureza.

  • El Nagual, Rio de Janeiro

Essa ecovila foi fundada há mais de 20 anos a fim de promover a gestão sustentável de recursos, implantar estudos de zoneamento e planejamento de ocupação do solo.

O post Conheça as ecovilas brasileiras apareceu primeiro em Pensamento Verde.

Fonte: Pensamento Verde

Posted in: Sem categoria

Leave a Comment (0) →
Page 1 of 157 12345...»